quinta-feira, 28 de junho de 2007

O hóspede

Quando falei, nos post sobre meu hóspede:
"5. Está tentando estender o visto dele...", O Manoel Carlos entendeu que eu estava sendo irônica ou, parece, que a presença do meu hóspede já estava começando a me encher. De jeito nenhum, ainda falta muito para eu perder a paciência. Ele é tranquilo e eu também sou, apesar do tom azedo deste último post aí.

E o Wagner fez o seguinte comentário: "Como assim "as frutas brasileiras têm de vir com as sementes"? As maçãs, pêras, ameixas, pêssegos, cerejas e etc., dos EUA vêm sem sementes?"
R: Sim, Wagner, não TODAS as frutas, mas muita coisa vem sem semente, as uvas, por exemplo, melancia. Acho que no Brasil também se pode comprar sem as sementes.
E sobre a 'beijação' o Wagner terminou concordando, pelo menos em partes, com meu hóspede. Não é só este hóspede, todos os americanos que passam por ficam impressionados. Eu também acho que tem uma boa dose de exibicionismo, mas...cada um na sua.
...

4 comentários:

Wagner disse...

Ah, mas uva e melancia sem sementes aqui também tem! Eu mesmo já cansei de comer destas. Quero ver os americanos "inventarem" pêssego, cereja, abacate, mamão e outras, sem sementes... ou será que estas também já existem na "versão estéril"? Pobres frutas...

Anônimo disse...

Eu até acho que pode ter algum exibicionismo sim, mas por que esperar o pior das pessoas??? Talvez elas só estejam curtindo o parceiro e nem se tocam que os outros estejam olhando.... Agora os outros analisando e observando, já é outra história.....rs

Vera do Val disse...

Eu acho um horror as frutas sem as sementes. A cada dia ficamos mais artificiais. Um mundo asséptico, estéril, assexuado. Que tristeza. Tudo em nome do conforto e bem estar. Olhe, as sementes da melancia servem nem que seja para prolongar o prazer de come-las.
Isso me parece bem coisa de americano. Tudo esterilizado.
Até me arrepia.

Manoel Carlos disse...

Já não sei o que pensei na hora que escrevi, com você eu me sinto, de certa forma, à vontade para escrever o que me dá na telha. Espero que não se ofenda, mas entenda que é uma forma de confiança e intimidade que não tenho com a imensa maioria.