sábado, 27 de janeiro de 2007

Malásia

Kuala Lumpur (1)
Mesquita - Kuala Lumpur (2)

Malásia - em algum canto perdido (3)

A primeira foto eu fiz da janela do meu apartamento em Kuala Lumpur. Era um lugar muito bonito com todo esse verde que se pode ver aí. Na segunda foto uma mesquita que, infelizmente, não ficava muito longe de casa o que significa que às cinco horas da manhã (madrugada, eu diria) éramos acordados com o som de ALLAH, AKBAR! o chamado para a primeira oração do dia. E eu com isso, né? Nada, mas tinha que escutar do mesmo jeito, quem estava na terra deles era eu. É verdade, terra deles (há isso, terra de alguém? Bom mesmo é se tudo fosse de todos), já a religião muçulmana não é lá muito 'deles' segundo Naipaul num dos seus excelentes livros Beyond Belief: Islamic Excursions Among the Converted People, o islã é imperialista, não é a religião 'natural' desta parte Ásia. Entretanto, o maior país muçulmano hoje é a Indonésia e um dos mais fanáticos também.

Na última foto eu escrevi 'em um canto perdido da Malásia' porque estávamos realmente perdidos. Saímos um fim de semana para passear de carro e nos perdemos, não encontrávamos ninguém que falasse inglês...mas foi bom, perder-se também é uma forma de conhecer. E sabíamos que não estávamos tão longe de Kuala Lumpur.
....

Um comentário:

Manoel Carlos disse...

Acho que o meu tema favorito em Cadernos da Bélgica é viagens, mais especificamente sobre personagens e costumes.
No Rio de Janeiro é cada vez maior o número de igrejas que mantêm um serviço de alto-falantes com cantorias e preces; às vezes penso que seria mais agradável morar em um bairro barulhento, pois tudo se misturaria; ouço, bem no meio da tarde de domingo, os tais alto-falantes que ficam a quilômetros de minha casa. Pior que isto só ouvir de madrugada os tiroteios de bairros vizinhos (Tijuca, Cosme velho, Laranjeiras...), preciso morar num lugar barulhento, para deixar de ouvir as coisas.