sábado, 26 de julho de 2008

Semana

Acabei de chegar do cinema, fui ver este filme: O escafandro e a borboleta. Muito bom, recomendo. É a história de Jean-Dominique Bauby, um homem que tinha tudo, como ele mesmo diz, não conhecia a derrota até sofrer um derrame e tornar-se prisioneiro do próprio corpo. Bauby era um jornalista famoso, editor da revista da Elle. Depois do acidente cardio vascular aos 40 ou 41 anos, ele só consegue se comunicar piscando os olhos, é assim que ele escreve um livro sobre sua vida, o livro dá origem a este filme tão intenso e bonito.
...

...
Renovei minha carteira de motorista que estava vencida há alguns meses, uns sete, talvez (?) isso mostra o quanto gosto de dirigir. Na verdade, o 'dirigir' em si não me incomoda, o problema é que tenho um péssimo sentido de orientação e me isso estressa muito quando estou ao volante, prefiro me perder a pé, tomar um taxi, ônibus, metrô, perguntar, qualquer coisa. Quando vivia em Atlanta tive, por algum tempo, um carro com GPS, era o meu melhor amigo daqueles tempos.

Pensei seriamente em nunca mais renovar esta carteira, há ainda outro fator, a poluição, o trânsito infernal do Brasil e a falta de educação dos motoristas em geral. Há carros demais nas ruas e eu não quero contribuir com isto, é claro que significa abrir mão de algum conforto, mas eu quero mesmo abandonar o carro, quero pensar e analisar muito antes de tomar um avião, quero apagar mais as luzes, quero usar menos a máquina de secar, o secador. Quer dizer, fazer algo mais do que separar o lixo que não sei para onde vai.

E por que renovei a maldita carteira? Primeiro porque tenho medo de algum caso de urgência, levar alguém da família correndo para o hospital, coisa que já me aconteceu antes. A outra razão foi essa 'lei seca', é melhor ter um motoristaa mais, just in case. São duas coisas que não me interessam muito, bebida e carro/direção. Dizem que a lei já está diminuindo muito o número de acidentes, se estiver, ótimo, mas será que o que está diminuindo não é o controle intenso? Se for o controle daqui a pouco tudo volta a ser como dantes no país de abrantes...

4 comentários:

Bruno Bertacini disse...

Oi Leila, tudo bem?
Leila, primeiro, eu peço desculpas pela intromissão. Dia 31/08, eu viajo para o Canadá e no ano que vem eu pretendo ir à Europa. O primeiro país da Europa que irei visitar será a Bélgica e depois França (para praticar mais o francês já que o mestrado será em Montreal). Gostaria de saber, se você algum site para me indicar sobre a Bélgica/França, pois sou marinheiro de primeira viagem. Qualquer indicação, sem querer ocupar o seu tempo, fico grato.
Uma boa semana.
abraços.

Polly disse...

Hummmmmm fiquei super afim de ver este filme, vou checar se consigo comprar pela amazon:). Eu adoro dirigir, curto mesmo, Mas não sei se curtiria aí no Brasil por causa da confusão mesmo e falta de respeito dos motoristas, dá meda!
:(

Diz disse...

Eu fiquei anos sem dirigir, ai comecei aqui morrendo de medo. Mas amo dirigir. Vou feliz pelas estradas. Mas a educação é um espanto. Eu chamo atenção buzino qdo vejo fazerem absurdos, aqui tem mto, acho que é regra no Br. todo, né?
Mas adoro, me sinto como brincando. Agora que perdi o medo então...só evito, se posso ruas com ônibus, ai sim, odeio, eles vêm em cima. Bjs querida,
Laura
ai correm muito não é? aqui tem bastante controle nas ruas de velocidade, não dá p correrem mto.

Bruno Bertacini disse...

Leila, eu passei por seu blogue de contos e me esqueci de deixar um recado. A editora record e o Sesc estão promovendo um concurso pra conto e romance, se você acessar os respectivos sites pode encontrar mais informações, sei que as inscrições são até o dia 15/08.
abraços.