domingo, 16 de março de 2008

Lendo Lolita em Teerã

Comecei a ler este livro de Azar Nafisi meio por acaso. Uma das visitas americanas deste fim de ano deixou o livro aqui em casa e, mais de uma vez o folheei, sem começar a ler visto que tenho meus pré-conceitos com best-sellers. Outro dia, enquanto esperava a máquina de lavar concluir o seu trabalho, abri o livro e fui lendo, acabei presa da história....ou à história, tanto faz.
Ainda estou no começo, mas acho que vou levar a leitura até o fim. Tem, claro, muitas referências à literatura ocidental, sobretudo Nabokov, não poderia deixar de ser. Eu, ao contrário de muita gente, gosto de livros com referências. Às vezes é como se eu estivesse relendo Lolita ou ouvindo alguém comentar a 'sua leitura' de Lolita. E Nafisi é uma bem conceituada professora de literatura.


''Como Lolita, aproveitamos todas as oportunidades para exibir nossa insubordinação: uma pequena mecha de cabelo à mostra sob os véus, um pouco de cor insinuada na monótona uniformidade da aparência, as unhas compridas, apaixonando-nos ou ouvindo músicas proibidas.'' (trecho de Lendo Lolita em Teerã)

Aqui uma entrevista com Azar Nafisi: O véu é um inferno.

"A questão não é usar ou não o véu. É se a mulher tem o direito de escolha, se pode interpretar a religião como bem entender"
.....
Aqui o resultado do meu:

Existentialism 85%
Hedonism 45%
Nihilism 45%
Justice (Fairness) 40%
Utilitarianism 30%
Apathy 25%
Strong Egoism 20%
Kantianism 15%
Divine Command 0%

Um comentário:

Magui disse...

Pode até ser mas mulher que tem medo de morrer em luta pelos seus direitos merece a servidão imposta.