quarta-feira, 5 de julho de 2006

Telefonema surreal


Esses dias recebi um dos telefonemas mais surreais da minha vida. Ainda cansada de uma viagem atendo o telefone. Normalmente me irrita um pouco quando a pessoa do outro lado, esguela: ‘QUEM tá falando?’ ao invés de dizer com quem quer falar. Se o tom for educado ainda passa. Nesse dia que atendi, a voz era rude e já foi logo perguntando:

QUEM?’ Eu não queria perder tempo, então respondi:
- Leila.
- É a Leila mulher do Alcides?
- Não.
- É SIM!
- ????

(Aparentemente era alguém que sabia mais que eu. Analisei o nome por uns segundos....Alcides, Alcides, não nunca conheci nenhum Alcides, nunca fui casada com nenhum)

E a mulher:
- É você SIM, escuta aqui ó....
- Minha senhora, a senhora está falando com a pessoa errada.
- Você sempre diz isso, eu só quero te falar o seguinte, você pára de ligar pro fulano e falar que tá com saudades dele....

(Nesse ponto eu já estava morrendo de rir e tentando explicar para a mulher que ela, definitivamente, tinha chamado o número errado, mas ela não escutava. Tentei ainda)

- Minha senhora, eu não sou a mulher do Alcides, meu marido é o fulano.
- Pode SER que você tenha se casado de novo, não me interessa...

(Daí eu desliguei e fui rir à vontade, fazer o quê? E ela deve ter continuado a lista.)
.......
O Derrotista e Contos fantásticos no labirinto de Borges em Rosebud Livros.

5 comentários:

Sonia disse...

Às vezes me acontece de alguém ligar para minha casa e chamar um Fulano ou Fulana e quando eu digo que não tem ninguém aqui com esse nome a pessoa insiste que sim. Como se fosse possível eu não saber os nomes de quem mora comigo. Tem doido pra tudo.

Allan Robert P. J. disse...

E você não ficou curiosa em conhecer o Alcides?

vera do val disse...

O Allan fez a pergunta certa. Não ficou curiosa? Eu ficaria. Esse Alcides deve ser um gde gostosão. E essa historia sua dá um belo conto. Bjs

vera do val disse...

O Allan fez a pergunta certa. Não ficou curiosa? Eu ficaria. Esse Alcides deve ser um gde gostosão. E essa historia sua dá um belo conto. Bjs

Manoel Carlos disse...

Hoje mesmo telefonaram para a minha casa:
Desconhecido: - aí é o número tal?
Eu: - sim.
Desconhecido: - quem está falando?
Eu: - com quem quer falar? quem está falando?
Desconhecido: - sou Rafael, tem alguma Sílvia aí?
Eu: - sim.
Rafael: - e uma Vânia?
Eu: - nããoo...
Rafael: - é que encontrei este telefone num orelhão.
Eu: - é algum engano.
Você até já escreveu um belo conto sobre uma brasileira, prostituta, que deixava o número do telefone em orelhões de Bruxelas, quanto mais rezamos mais assombrações nos aparecem.