segunda-feira, 15 de agosto de 2005

Recebendo uma européia no Brasil:

O que é aquilo ali?
Aquilo o quê?
Aquilo ali ó.
Ah, aquilo é uma bananeira.
BANANEIRA?!
????
Ué, eu nunca tinha visto uma antes.


******

Que pássaro é aquele?
Aquilo é urubu.
URUBU?
?!?!
(.....)
E aquele lá?
Aquele não sei, só conheço urubu e tucano.

******
E mais:
O que é? Quanto é? Quando foi? Como é?Quantos graus?

É preciso ser geógrafa, historiadora, filóloga, musicista, botânico, negociante....
mas está ótimo, tudo vale a pena se a alma não é pequena.

10 comentários:

Laura disse...

Eu tenho uma amiga argentina que cansava, TUDO queria saber, aprendeu rapidinho, tinha que ter cultura para responde-la,na época fiquei sabendo de coisas que não sabia tanta a curiosidade dela. bj laura

Anônimo disse...

Fiquei aqui rindo, lembrando de minha amiga italiana tentando falar Pão de Açúcar e perguntando, perguntando, perguntando...risos...
Mas vale a pena, sem dúvida!!!

carlos bruni disse...

E pensar que temos tantas coisas para mostrar-lhes, mas que meia dúzia de pilantras (meia dúzia é maneira de dizer; são incontáveis) tentam em embarrear.

Sonia disse...

Às vezes cansa, sim, mas acho gostoso mostrar este Rio que eu amo a gente de fora. Principalmente a lugares off-sightseeing tour.

TMara disse...

a língua portuguesa tem muitas e riquíssimas variantes. Bjs e ;)

Maria Odila disse...

A gente esquece do muito que vive a nossa volta e só volta a notar quando alguém de fora pergunta
gostei
beijos
Odila

Allan Robert P. J. disse...

Só deixa de ser engraçado quando o estrangeiro somos nós. Mas, afinal, é essa curiosidade que acaba com o folclore e lugares-comuns que criamos sobre outros povos.
Ciao

Anônimo disse...

Essa troca é vantagem pra todo mundo e aproxima as pessoas. Gostei daqui, posso linkar os Cadernos? Bejo. Adelaide
www.meublog.net/adelaideamorim

Manoel Carlos disse...

Deve ser por isto que me tornei um chato em estilo professoral.
Quais as dimensões do Cristo Redentor? quando foi construído? por quem? Idem em relação ao Maracanã, autódromo, reflorestamento da Floresta da Tijuca, bondinho do Pão-de-Açúcar, trenzinho do Corcovado...
Em Pernambuco era pior, tinha que dançar frevo, ciranda, xote e maracatu, mesmo sem música, mas bebendo cachaça e comendo tudo que havia pela frente.

Rita disse...

É engraçado como o mundo da internet é pequeno. Entrei no seu blog através do google, procurando pela palavra "bélgica" (pretendo viajar para a bélgica em julho/2006) e eis que encontro texto do Beto Muniz (tb sou anjo de prata) e comentários da Mariazinha (que por acaso é minha sogra!)
hehehe