sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Bonjour Tristesse

É este o livro que estou lendo agora. Não tinha lido nada de Françoise Sagan antes, apesar de todos os meus anos de estudo de francês. Na verdade acho que as universidades ainda correm dela, não tenho nada contra nem a favor, estou nas primeiras páginas do primeiro livro e, mesmo quando chegar na última, não sei se quero julgar. Não sou crítica literária, dieu merci! Nem eu confiaria no meu julgamento, há autores, sobretudo brasileiros contemporâneos, pra lá de consagrados, com uma 'manada' de jabuti seguindo, que eu não aprecio nem um pouco. Suponho que seja uma questão de gosto pessoal.

Bonjour Tristesse foi escrito e publicado em 1954, sagan tinha 18 aninhos e um best seller queimando nas mãos. Um sucesso e dizem, um livro meio escandaloso para a época.

Gosto do título, Bonjour Tristesse, que foi tirado de um poema de Paul Éluard. Acho este título feliz, digo, foi uma escolha feliz. Soa bem, chama a atenção, é elegante.

O Poema:

Adieu tristesse
Bonjour tristesse
Tu es inscrite dans les lignes du plafond
Tu es inscrite dans les yeux que j'aime
Tu n'es pas tout à fait la misère
Car les lèvres les plus pauvres te dénoncent
Par un sourire
Bonjour tristesse
Amour des corps aimables
Puissance de l'amour
Dont l'amabilité surgit
Comme un monstre sans corps
Tête désappointée
Tristesse beau visage.

Paul Éluard, La vie immédiate
...
Outra coisa que me levou, finalmente, a ler o livro são as inúmeras referências a ele, por exemplo jack kerouac, J. Grecco. Se a gente prestar atenção é um título que persegue. Outra razão ainda, parece que é um livro fácil de trabalhar com os alunos. Ah, mais uma razão, o livro é bem pequeno, umas 200 páginas nessa edição de Poche. Então, copiando mais ou menos Borges, se não for bom, tem a vantagem de ser curto.

...

"Sur ce sentiment inconnu dont l'ennui, la douceur m'obsèdent, j'hésite à apposer le nom, le beau nom grave de tristesse. C'est un sentiment si complet, si égoïste que j'en ai presque honte alors que la tristesse m'a toujours paru honorable. Je ne la connaissais pas, elle, mais l'ennui, le regret, plus rarement le remords. Aujourd'hui, quelque chose se replie sur moi comme une soie, énervante et douce, et me sépare des autres." (Bonjour tristesse)
...
PS: Esta edição tem exatamente 154 páginas, já terminei a leitura. Não é um livro que marca, não dá para colocar em nenhuma lista dos 100 mais. É um livro leve, para leitura rápida mesmo, despretensioso. E, como eu previa, é bom para se trabalhar nas aulas de francês. Vou propor a leitura a meus alunos.

4 comentários:

Mauro Castro disse...

Um best Seller aos 15...
Há braços!!

Cícero Soares disse...

Insônia... também "um monstro sem corpo". Você sabe. Hum, vou aproveitar e ver se tem pra baixar por aí o filme do Otto Preminger. (E aproveita e diminui o café, né, menino?!)

Diz disse...

Li livros dela qdo mocinhaaa, os primeiros que li. Agora quero ler em fr.vou trazer, comprar em sebos- acho que vou me deliciar em sebos, não acha?
Bjs
Laura
Alguma dica?
Mande por email, prefiro.

Lady of Roses disse...

Esse livro é muito bom e a poesia linda!