quarta-feira, 20 de agosto de 2008

BIENAL

Do blog do Santiago Nazarian:

Mas voltando à Bienal...

Achei um horror. Fiquei deprimido. A proposta em si já é bem discutível. Deveria afastar qualquer um que gosta realmente de ler. É grande demais, abafado demais, barulhento, não há um espaço para ver livros com calma, sentar, ler, é um mercadão interessado apenas na venda. E, como bem disse a Índigo, não há grandes descontos. Fui lá ontem e achei tudo tão feio, tudo tão decadente, tão longe do que eu acho que a literatura deve ser. (Fábio, que estava comigo, diz que eu achei decadente porque me acostumei a trabalhar no Fashion Week. Pode ser...).
Lá, me senti um daqueles tiozinhos que pára gente na rua perguntando: "Olá, jovem, gosta de poesia?"

"Devo dizer também que, apesar da Bienal ser patrocinada pela Volkswagen, e apesar de termos sido convidados a debater no Espaço Volkswagen (e acabarmos com uma enorme kombi colorida atrás), a Volkswagen mesmo não ofereceu cachê algum, nem ao menos ofereceu transporte. A gente faz de graça mesmo - por amor à literatura - uma propaganda da marca, ainda que o público que vá assistir PAGUE para entrar na Bienal. Faz sentido?"

Santiago Nazarian

4 comentários:

Mauro Castro disse...

Aqui em Porto Alegre nós temos uma Feira do Livro, a céu aberto, bem bacana...Devias vir.
Aliás, vou lançar o segundo volume do Taxitramas lá.
Há braços!!

Cícero Soares disse...

Postei a dica lá no Café do Cronópios, olha só que artigo batuta do Diplô acerca da Bienal daqui (pra destemperar um pouco o do Nazarian, né?): http://diplo.uol.com.br/2008-08,a2569

(Aaaaaaaah, é ele mesmo, o Mauro Castro do Taxitramas! Estava em dúvida. Que lá se foi.)

Tudo disse...

Olááá,
Adorei o blog...e acho que combina com esse aqui:

http://tdpersonalizado.blogspot.com

Vai gostar desse aqui também!

Beijosss

Kovacs disse...

Nada como a feira "primavera dos livros" que ocorre anualmente no Rio e São Paulo. Somente pequenas editoras e sempre em um ambiente agradável, sem muita badalação na mídia.