sexta-feira, 16 de junho de 2006

Imprudência



Separei, sempre, o joio do trigo e, muitas vezes, fiquei com o joio. Não foi a sorte ou o azar, foi a imprudência. Eu podia ter escolhido o Luís, mas não, fiquei com o Lazinho. Imprudência! Está vendo minha cara quebrada? Significa que fiquei com o joio, entendeu, doutor? Uma lástima. Claro que não foi a primeira vez, nem a segunda, nem a terceira. Olha também aqui na minha coxa, viu? Estragar umas coxas dessas, doutor? Modéstia à parte...Um dia o desgraçado quase me arrebentou a cabeça, está aí escrito, dei queixa. A imprudência me fez voltar. Daí, doutor, respondendo à sua pergunta, foram sete facadas de raiva, de dor, de medo. Imprudência pura. Devia ter dado um tiro.
Leila Silva
.....
imagem: Modigliani

4 comentários:

Laura disse...

Ótimo, gostei mto. Bjs laura

Thiago Quintella disse...

Ora, essa de separar joio do trigo complica, quando vem misturados e não podemos distingui-los. Ficamos com a cara pintada por Modigliani!

Manoel Carlos disse...

Excelente!
Há mulheres que parecem ter espírito de cobra, precisam engolir sapo e o fazem com prazer; mesmo estas, às vezes, ao invés de privação de sentidos, sob domínio de forte emoção, explodem numa explosão redentora, mesmo que imprudente.

Sonia disse...

E se o joio tiver aparência de trigo?